História das Fabricas de Pianos

História das Fabricas de Pianos, detalhes sobre a trajetoria dos principais fabricantes de pianos nacionais e estrangeiros

piano bechstein logo

Pianos Bechstein Guia de modelos

Carl Bechstein nasceu em 1826. Uma de suas irmãs se casou com Johann Gleitz que era construtor de pianos, inspirado pelo cunhado, passou a se interessar pela fabricação de pianos e se tornou aprendiz de Gleitz.

 

Historia da Fabrica de Pianos Bechstein

Apos trabalhar com o cunhado, ele viajou para a frança, a maior potencia da fabricação de pianos na época, e trabalhou nas maiores fabricantes do mercado. Conheceu Lizt, que na época usava pianos Pleyel, e ficou impressionado com a “técnica destruidora” de tal compositor, estava lançada a grande jogada de Carl, fabricar um piano de qualidade e resistisse ao modo extremo como certos compositores puniam os pianos.

Voltando para a Alemanha ele fundou a fabrica de pianos Bechstein em Berlim no anos de 1853, Próximo á 1900 a Bechstein produzia cerca de 4 mil pianos por ano, neste mesmo ano morre Carl Bechstein e seus herdeiros passam a administrar a fabrica de pianos bechstein com competência e visão, em 1912 foi produzido o piano n.° 100.000, a pianos Bechstein teve êxito mesmo durante a a grande depressão de 1924 a 1934 quando mais de 50% dos fabricantes de pianos foram forçados a fechar suas portas, porem, o destino reservava algumas surpresas.

A família bechstein se tornou muito influente e respeitada pela aristocracia alemã, Edwin Bechstein e sua esposa, Helene Bechstein, eram admiradores ardentes do líder nazista Adolf Hitler, Edwin e Helene passaram a contribuir com o partido Nazista, inclusive, o 1.o carro de Luxo pertencente a Adolf Hitler, uma Mercedes vermelha, foi doada pela família Bechstein. Helene Bechstein e sua amiga Elsa Bruckmann foram responsáveis por apresentar e introduzir Hitler na elite cultural e aristocrata Alemã. “desejava que ele fosse meu filho” Disse ela.

Edwin Bechstein morreu em 1934, seu funeral foi feito em Berlim com Honras de Estado incluindo a presença  de Adolf Hitler e políticos do NSDAP como Wilhelm Frick e Max Amann.

Com a 2.° guerra em iminência, a fabrica de pianos Bechstein é expropriada pelo governo nazista e sua instalações e funcionários passam á ser utilizados para a produção de material bélico, próximo ao fim da 2.a guerra, a fabrica da Bechstein sofre sérios danos materiais, porem, em 1950 eles já estavam de volta no mercado, porem produzindo apenas 100 pianos por ano.

Em 1963, a Baldwin comprou a pianos Bechstein da família, e ficou com o ela  até 1986, quando o técnico mestre em pianos Karl Schutze recomprou a empresa e colocou nas mãos dos alemães.

Em 1993, porém, a Bechstein estava enfrentando dificuldades financeiras e quase entrou em colapso até que o governo alemão salvou a empresa, desde então a fabrica de pianos bechstein vem crescendo muito e passou a comprar algumas concorrentes, entre elas a Zimmerman e a Hoffman.

Modelos de Pianos Bechstein de cauda

Até por volta de 1902, eram fabricados 5 modelos de pianos de Cauda com seus modelos nomeados de 1 a 5 em algarismos romanos (I a V).

-Maior era o Modelo ‘I’ que tinha 275cm de cauda.
-Modelo ‘II’ com 254cm de comprimento
-Modelo ‘III’ com 234cm de comprimento
-Modelo ‘IV’ com 218cm de comprimento
-Modelo ‘V’ – O menor de todos com 200cm de comprimento.

Em 1902, a Bechstein mudou os estilos e comprimentos de todos os pianos de cauda, e os modelos foram nomeados A a E.

-Modelo E substituiu o modelo ‘I’ acima – mesmo comprimento mas o estilo revisto
-Modelo D 250cm de comprimento
-Modelo C 225 centímetros de comprimento
-Modelo B 203cm de comprimento
-Modelo A 182cm, único modelo com 85 teclas.

No final do anos 20 cresce a demanda por pianos menores e novos modelos de pianos Bechstein são introduzidos.

-Modelo M 178cm de comprimento
-Modelo L 168cm de comprimento
-Modelo K 155cm de comprimento
-Modelo S 140cm de comprimento

Pianos Bechstein da série moderna – Modelo B -reparem que o  Logo e o modelo estão em alto relevo direto na chapa, não há moldura ou relevo de base.

pianos bechstein séire moderna cauda

Pianos Bechstein da Série antiga, reparem que abaixo do logo há um relevo que forma uma moldura semi oval, o logo não fica direto sobre a chapa, e sim sobre o relevo.

pianos bechstein séire antiga cauda

Modelos de Pianos Bechstein verticais

Resumidamente são 5 modelos de pianos Bechstein verticais, até 1902 (por volta do n. de série 60.000) estes eram conhecidos como modelo n º s I, II, III, IV e V. De 1902 em diante, pequenas alterações foram introduzidas, e esses modelos foram renomeados para algarismos arábicos, sendo eles 6, 7, 8, 9 e 10, respectivamente. É justo dizer, no entanto, que não há praticamente nenhuma diferença de tom ou de desempenho entre os modelos correspondentes (por exemplo, um modelo III parece e soa semelhante ao seu sucessor, o modelo 8).

-Modelo 6 (ou ‘I’) com 145 centímetros de altura com 88 notas e é de maior piano vertical Bechstein, normalmente encontrado em Rosewood ou Preto.

-Modelo 7 (ou ‘II’) tem 138 centímetros de altura com 88 notas e novamente está geralmente disponível em Rosewood ou Preto.

-Modelo 8 (ou III) tem 127cm de altura, possui 88 notas e geralmente feito em Rosewood, Nogueira, Preto ou Pinho (abeto)

-Modelo 9 (ou IV) tem 122cm de altura, possui 85 teclas e é o menor modelo, e disponível em várias madeiras.

-Modelo 10 (ou V) tinha 127cm de altura, 85 notas, é o único modelo vertical de Cordas Retas.

Modelo 9, pianos Bechstein série moderna, modelo em relevo na chapa abaixo do Brasão que fica na transição dos Graves para os médios, o cepo é exposto (pode ser visto).

pianos bechstein séire moderna vertical

Piano modelo III, Bechstein série antiga, como no caso dos pianos de cauda, reparem que o logo não fica direto sobre a chapa e sim sobre uma moldura oval, e abaixo do Brasão que fica na transição dos graves para os médios não há nada impresso. O cepo não é exposto, fica coberto pela chapa (harpa)

pianos bechstein séire antiga vertical

Link para o site do fabricante: http://en.wikipedia.org/wiki/C._Bechstein_Pianofortefabrik

piano bosendorfer audi

Piano Bosendorfer Audi Design

Existem certas coisas que as quais simplesmente não devemos mexer, tal como a forma de um piano Bosendorfer, sendo fabricados ha séculos de forma meticulosa e semelhante, porem mesmo assim, para um ouvido treinado, podem soar de forma diferente em relação a outro piano da marca, de modo geral todos têm a mesma forma simplesmente porque há algumas coisas com as quais não devemos mexer. Para comemorar o seu centenário, o estúdio de design da montadora alemã AUDI aliou-se com a renomada fabrica Austríaca de pianos Bosendorfer para produzir um piano e obviamente o resultado foi surpreendente.

 

O Piano Bosendorfer Audi Design está disponível ao público pela bagatela de € 100.000 (cem mil euros), nesse nível de preço, não espere ver um na vitrine de sua loja de música local.

Piano Bosendorfer Audi

Um piano Bosendorfer de cauda inteira ou concert grand como é conhecido fora do Brasil é impressionantemente grande, geralmente preto com três pernas para apoiar o corpo com seus lados geralmente curvadas. Por mais de 100 anos, os complexos mecanismos internos desses instrumentos têm assegurado o seu som magnífico, bem como determinam sua forma geral. A longa tradição, evolução e história de um mercado com mais de 300 anos de idade tornou o piano no que ele é hoje em dia, teoricamente perfeito, sem a necessidade ou possibilidade de grandes alterações para elevar sua qualidade, sonoridade e beleza. Porem a equipe da Audi Design Estúdio de Munique decidiu enfrentar a tarefa de modificar e inovar a aparência de um piano de cauda sem alterar sua sonoridade e funcionalidade.

Projeto do Piano Bosendorfer Audi

piano bosendorferAcostumados a projetar carros a pergunta inicial era por onde começar. Como poderia a filosofia de design da Audi ser incorporada em um piano Bosendorfer de cauda que é um instrumento com forma e função claramente definidos, ainda mais sendo um projeto em parceria com a Bosendorfer Pianos, a marca de pianos mais afamada, renomada e admirada entre os pianistas de todo o mundo e há quase 200 anos no mercado.

Segundo Wolfgang Egger, Chefe da Audi Design Group “Você pode imaginar o respeito com que nos aproximamos do desafio de redesenhar um piano Bosendorfer“. Mas ele e sua equipe fizeram da necessidade uma virtude: “As limitações que enfrentamos eram necessárias como um meio de estimular a nossa criatividade Fomos obrigados a estudar o instrumento em profundidade e desenvolver um conceito abrangente desde o início, o projeto foi uma útil fonte de experiência para os nossos jovens designers que certamente irá beneficiá-los mais tarde, quando eles trabalham em nossos demais projetos “.

Para a Audi a prioridade no projeto do piano Bosendorfer era não exercer qualquer influência negativa no som do instrumento seguindo os mais altos padrões de qualidade de materiais e mão de obra normalmente aplicadas na fabrica de piano Bosendorfer em Viena. Os pianos são artigos extremamente complexos contando com muitos delicados elementos mecânicos que exigem habilidades artesanais de alta precisão com tolerâncias variações inferiores a cinco centésimo de milímetro. As cordas de um piano de cauda podem exercer uma tensão de até 20 toneladas sobre a estrutura de metal fundido, as frequências de vibração e qualidade sonora tem que ser exatamente corretas, não há espaço para modificações e adaptações.

No fim das contas o projeto do piano Bosendorfer teve um grande sucesso, apesar da modificação de vários elementos diretamente associados com a caixa ou móvel do piano a acústica não foi afetada e o piano Bosendorfer Audi é certamente uma aula de design.

Devido ao seu preço e exclusividade é muito pouco provável que você cruze com um piano Bosendorfer destes em algum momento de sua vida, mas para não passar vontade ao menos você pode apreciar a galeria de fotos com os principais detalhes deste piano.

Para conhecer mais visite o site do fabricante:  http://www.boesendorfer.com/

Pianos Steinway e BMW desenvolvem carro

Chamado de COMPOSITION o carro trata-se de uma Bmw série 7 com design desenvolvido pela prestigiada fabrica de pianos Steinway & Sons. Porem provavelmente você deve estar se perguntando, o que um carro tem a ver com um piano? A resposta é simples, conforme a BMW é o padrão de qualidade que une as 2 marcas, o design e fabricação levados ao extremo do perfeccionismo e o comprometimento cultural são o que unem uma Bmw a um piano Steinway.

Pianos Steinway & Sons desenvolve carro para a BMW

O modelo é pintado em preto com detalhes em branco por influencia das cores do teclado de um piano, o interior, tapeçaria detalhes e acessórios também tomam como base as cores e características de design presentes em um piano Steinway. A pintura externa, interna e dos painéis são feitas e polidas á mão ficando com um acabamento da alto nível comparável ao de um piano laqueado. O modelo é fabricado com o chassis e estrutura padrão da Bmw série 7 são vendidos sob encomenda e conta ainda com um sistema digital áudio de alta resolução e fidelidade sonora.

A fabrica de carros se mostrou bastante entusiasmada devido a parceria firmada com a pianos Steinway , um de seus principais diretores disse ter grandes expectativas pois como a Bmw, a fabrica de pianos Steinway é uma empresa conhecida por ser uma marca top, conhecida por seguir os mais altos padrões de qualidade e uma enorme atenção ou até paixão aos detalhes. O Modelo BMW Individual 7 Series Composition pianos Steinway une os maiores anseios dos compradores de ambas as marcas, design, estética, conforto e perfeição técnica.

Infelizmente é muito pouco provável que você veja um Steinway Bmw no Brasil, como sabemos, os produtos de linha da marca já são caros, praticamente inviáveis quando somada a carga tributaria brasileira, que praticamente dobra o preço de qualquer produto importado, imagine então um piano personalizado em conjunto com a Bmw.

 

 

história do piano

História do Piano e Pirncipais Fabricantes

história do pianoA história do piano começa em Pádua, Itália em 1709, na loja de um fabricante de cravo chamado Bartolomeo Cristofori di Francesco (1.655-1731). Muitos outros instrumentos de cordas e teclado precederam o piano e levaram ao desenvolvimento do instrumento como o conhecemos hoje em dia. O conhecimento humano de que a vibração de uma corda pode produzir sons remonta aos tempos pré-históricos. No mundo antigo, as cordas foram presas e esticadas sobre arcos, cabaças, e caixas para amplificar o som, eles eram ligados por laços, cravelhas e pinos, muitas vezes curvadas para produzir ou atingir o som desejado.

História do piano – A evolução que originou o piano

Uma grande gama de instrumentos musicais conhecidos como Instrumentos de cordas percutidas surgiram na Europa no século XIV e culminaram na invenção do piano. O mais antigo deles foi uma gaita de foles, feita em uma caixa fechada e rasa sobre a qual estendeu os fios que eram atingidos com dois martelos de madeira sendo este é o preceito básico do piano, cordas que geram som ao serem atingidas pelos martelos. O dulcimetro surgiu em seguida e levou ao desenvolvimento do clavicórdio, que também apareceu no século 14.

Estes foram seguidos pelo cravo virgem original, clavicórdio, gravicembalo, finalmente já no século 15, o cravo, que era limitado a um volume e potência sonora fixos, sua intensidade e volume não poderiam ser alteradas enquanto se tocava o instrumento, portanto, os artistas não podiam transmitir o mesmo grau de expressão musical como o da maioria dos outros instrumentos. O desejo artístico para mais expressão controlada levou diretamente à invenção do piano, em que o artista poderia alterar o volume e tom com o controle da força e velocidade aplicada pelos dedos sobre as teclas. O cravo foi um desenvolvimento particularmente importante levando à invenção do piano. Sua capacidade de projetar o som mais alto do que seus antecessores, e refinamentos na ação, mecanismo, sensibilidade e toque inspirou muitos músicos para compor mais para os instrumentos de teclas.

Na história do piano o primeiro instrumento de que se tem notícia foi apresentado em Florença, no ano de 1709, o novo instrumento de Cristofori foi nomeado gravicembalo com piano e forte (o que seria “instrumento de teclado suave e forte”. Seu nome foi encurtado para pianoforte e finalmente para piano apenas.

Entre 1800 e 1900 o mercado de pianos teve um crescimento vertiginoso atingindo o numero total de mais de 4.500 marcas de pianos no mercado, das marcas mais tradicionais ainda em atividade, a mais antiga é a Bosendorfer piano fundada em 1828, na sequencia, no ano de 1835 foi fundada a Grotrian Steinweg, por ultimo e coincidentemente no mesmo ano 3 grandes marcas de piano abriram suas portas no ano de 1853, são elas: Bechstein Piano, Bluthner Piano, e Steinway Piano.

Enciclopedia da história do piano:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Piano

 

O auge da qualidade na história do piano

As décadas de 1910, 20 e 30 são conhecidas como o auge da fabricação na história do piano. Na opinião de muitos os pianos datados entre 1910 e 1930 são os melhores, mais requintados e detalhados pianos já fabricados, sua fabricação era marcada por um alto controle de qualidade minuciosas e infindáveis horas de trabalho completamente manual para a fabricação de cada piano, praticamente um trabalho artesanal. A maior prova desta qualidade é que existem inúmeros pianos datados entre 1910 e 1930 que se encontram totalmente originais e em perfeito funcionamento e com condição de uso por mais algumas gerações podendo ainda quando necessário ser renovado e restaurado com material original fazendo com que o piano tenham uma durabilidade praticamente infindável.

Em mais de 300 anos da história do piano, passaram por inúmeras transformações e melhorias até se tornar o piano que conhecemos hoje, conhecido como o piano moderno. Podemos datar entre 1880 e 1890 a introdução das ultimas alterações que resultaram nos pianos de hoje em dia, sendo assim, os pianos fabricados após 1890 podem ser chamados de pianos modernos, por mais estranho que possa parecer chamar de moderno um piano de 100 ou mais anos de idade.

O mercado de pianos atual

Atualmente o mercado de piano e outros instrumentos de teclas se modernizou, se popularizou e eventualmente migrou para os países como China, Indonésia, Coreia e Japão. Atualmente mais de 80% dos piano produzidos no mundo são fabricados nos países supra citados. Dos grandes e tradicionais fabricantes Europeus e Americanos apenas um punhado continua a todo o vapor e ainda produzindo seus estupendos e caros (realmente caros) pianos na Europa e USA, ressaltando ainda o fato de que a maior parte dos fabricantes Europeus e Americanos estão recorrendo à produção de 2.as e até 3.as linhas de suas marcas de pianos fabricados no oriente.

História detalhada – Pianos Essenfelder

Pianos Essenfelder – História da fabrica de Pianos Essenfelder

Um dos melhores, senão o melhor piano já fabricado no Brasil a fabrica de pianos Essenfelder passou por inumeras fases, modificações e reviravoltas que infelizmene culminaram com o fechamento da fabrica nos anos 80 para 90.
Material bastante interessante paro os entusiastas do Piano em geral.

Arquivos para download – Arquivo Zipado contendo Livro, catalogo e fotos

HistoriaEssenfelder_parte1.rar

HistoriaEssenfelder_parte2.rar